Os valores e a prática institucional da ciência: as concepções de Robert Merton e Thomas Kuhn

Compartilhe!

Este trabalho pretende desenvolver uma análise comparativa entre as concepções de Robert Merton e Thomas Kuhn a respeito da natureza social da ciência. Uma aproximação entre as perspectivas desses autores pode ser traçada em função da importância que ambos atribuem à questão da adesão a valores como um elemento fundamental para a compreensão da atividade científica. Conferindo centralidade à noção de comunidade científica, convergem para a análise da ciência como prática que se define a partir de um conjunto de crenças, princípios e normas compartilhados por uma determinada coletividade. Ainda que apontando algumas diferenças substantivas entre as perspectivas em questão - como as maneiras distintas pelas quais esses autores concebem o sentido de ‘social’ na ciência - este contraponto entre Merton e Kuhn pretende destacar a relevância de se considerar as crenças e os valores institucionalizados como uma dimensão essencial a orientar as ações concretas dos cientistas.

Tipo de Documento: 
Instituição Editora: 
Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Casa de Oswaldo Cruz
Autor ou Criador: 
Simone Petraglia Kropf
Nísia Trindade Lima
Citação: 

KROPF, Simone Petraglia; LIMA, Nísia Trindade. Os Valores ea Prática institucional da Ciência: como concepções de Robert Merton e Thomas Kuhn. História, Ciências, Saúde-Manguinhos , Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 565-581, fev. 1999.

Ano de Publicação do documento: 
1999
Compartilhe!