Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black

Prevalência e incidência de infecção pelo vírus da dengue em uma comunidade urbana: um estudo de coorte

A dengue é uma doença febril aguda transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti. Em torno de 40% da população mundial vive em áreas tropicais e subtropicais sob risco de infecção e desenvolvimento da doença. No Brasil, a dengue é uma doença de grande impacto para a saúde pública. Entretanto, poucos estudos de coorte prospectiva foram realizados para estimar a incidência de infecções e para identificar grupos populacionais de maior risco para infecção. Identificar grupos de risco pode ajudar a orientar os programas de prevenção e controle da dengue, de modo a reduzir a carga da doença. Este estudo teve como objetivos determinar a soroprevalência e a densidade de incidência e fatores demográficos e socioeconômicos associados à infecção pelo vírus da dengue em uma comunidade urbana. Um estudo de coorte foi realizado nas comunidades de São Marcos e Pau da Lima, bairros periféricos de Salvador-BA que apresentam infra-estrutura sanitária deficiente. Foram incluídos 2.323 participantes com idade ≥5 anos, residentes em domicílios selecionados aleatoriamente na comunidade. A coorte foi recrutada entre janeiro e junho de 2010 e o seguimento se deu após um ano, entre janeiro e maio de 2011. Em 2010, durante visitas domiciliares, os moradores dos domicílios selecionados que aceitaram participar do estudo assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e foram entrevistados para obtenção de dados demográficos e socioeconômicos. Amostras de sangue foram coletadas, transportadas no mesmo dia para a FIOCRUZ e, após centrifugação, alíquotas de soro foram congeladas a -20°C. Este procedimento foi repetido durante o seguimento da coorte em 2011. O teste utilizado para detectar anticorpos específicos contra dengue nas amostras de soro foi o ELISA IgG indireto. Medidas de tendência central, de dispersão e frequências foram utilizadas para descrever as características demográficas e socioeconômicas da população. A soroprevalência e a soroincidência foram calculadas de acordo com essas características. IC de 95% foram calculados para os indicadores de prevalência e de incidência. Dos 2.323 participantes testados no estudo de base em 2010, 2.036 (87,6%; IC 95%: 86,2 - 88,9) foram soropositivos para a presença de anticorpos IgG contra a dengue. A soroprevalência de dengue foi semelhante entre homens e mulheres. A análise da soroprevalência estratificada por faixa etária mostrou que quanto maior a idade dos indivíduos maior a soroprevalência de dengue (10 a 15 anos RP=1,75 [IC 95% 1,50 - 2,04] e maiores de 15 anos 2,19 [IC 95% 1,90 - 2,52]). Indivíduos de cor parda e branca apresentaram menor soroprevalência do que a cor preta. Aqueles com maior renda per capita e maior escolaridade apresentaram maior soroprevalência. Dos 240 membros da coorte que tiveram as amostras negativas para a presença de anticorpos IgG contra a dengue, 116 apresentaram uma infecção primária inaparente durante o seguimento, o que corresponde a uma incidência de 53,9 (IC 95%: 44,7-64,4) infecções primárias inaparentes por 100 pessoas-ano. Os resultados apresentados mostram que a dengue apresenta uma intensa transmissão em comunidades urbanas pobres do Brasil. A urgente necessidade de estratégias alternativas para controle da dengue no Brasil fazse necessário, a exemplo de vacinas.


Tipo de documento

Ano de publicação

2014

Autor

  • Tavares, Aline da Silva