Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black

Avaliação da participação de cada antígeno vacinal na resposta bactericida induzida pela vacina meningocócica B em camundongos

O principal agente causador da meningite bacteriana é a Neisseria meningitidis. Seis sorogrupos (A, B, C, W-135, X e Y) são responsáveis por 95% dos casos de doença meningocócica invasiva, uma doença que apresenta grande variação epidemiológica de acordo com a área geográfica e ao longo do tempo. Os anticorpos desempenham papel central na proteção desta doença, devido a capacidade lítica dos mesmos através da fixação do complemento. BioManguinhos está envolvido no desenvolvimento da vacina brasileira contra o meningococo B, composta de vesículas de membrana externa (VME) das duas cepas de maior prevalência e LOS detoxificado (dLOS). Neste momento, é importante compreender melhor a participação de cada um dos antígenos vacinais na resposta induzida pela vacina meningocócica B brasileira. Portanto, o presente trabalho tem o objetivo de determinar o papel de cada antígeno vacinal na indução da resposta bactericida em camundongos, a fim de discutir uma potencial otimização da vacina teste. Para isso, camundongos suíços foram divididos em seis grupos, onde cada grupo recebeu uma das seguintes formulações em hidróxido de alumínio: vacina meningocócica B, vacina meningocócica B combinada à vacina meningocócica C conjugada produzida em Bio-Manguinhos, vacina de VME de N44/89, vacina de VME de N603/95, vacina de VME de N603/95 combinada a VME de N44/89 e vacina de dLOS. Os anticorpos obtidos a partir do soro dos camundongos foram submetidos a um ensaio bactericida convencional e a um ensaio bactericida competitivo. Além disso, novas formulações com diferentes proporções e concentrações de antígenos foram submetidas ao teste de pirogênios. No ensaio bactericida convencional, realizado para as duas cepas vacinais, N44/89 e N603/95, todas as preparações testadas induziram soroconversão em título bactericida ≥ 4 vezes em relação aos valores dos soros pré-imunes, exceto no grupo que recebeu o dLOS separadamente, que não apresentou resposta protetora. A combinação da vacina meningocócica B à vacina meningocócica C conjugada não interferiu na resposta imunológica induzida para a vacina B, o que possibilita o uso futuro das duas vacinas combinadas. Foi observada reatividade cruzada entre as cepas vacinais, induzida por algum componente presente nas VMEs. Os dados obtidos no ensaio bactericida competitivo sugerem que o LOS residual, presente nas VMEs, parece desempenhar um papel na reatividade cruzada. Este ensaio ainda permitiu verificar que as VMEs e o LOS contribuem para a indução de anticorpos bactericidas protetores, e essa atuação parece ocorrer de forma sinérgica. Em geral, os títulos bactericidas obtidos para N44/89 foram maiores que os obtidos para N603/95. Essa indução preferencial de anticorpos para a N44/89 foi confirmada no ensaio de soroneutralização, onde foi necessária a utilização de pelo menos três vezes a concentração de proteínas de VME dessa cepa em relação à concentração usada para N603/95. Esses resultados indicam a importância de avaliar diferentes concentrações e proporções dos antígenos na vacina. Como qualquer mudança nas suas concentrações precisa ser avaliada antes de um possível uso em humanos, formulações com diferentes proporções e concentrações de antígenos foram submetidas ao teste de pirogênios. Os resultados deste teste indicam que existe a perspectiva de avaliar a imunogenicidade das novas vacinas testes, contendo diferentes proporções dos antígenos.


Categoria de assunto

Tipo de documento

Ano de publicação

2015

Autor

  • Xavier, Camila Lordello