Interface
Adjust the interface to make it easier to use for different conditions.
This renders the document in high contrast mode.
This renders the document as white on black

GT de Ciência Aberta representa Fiocruz em iniciativa da Universidade de McGill

14/12/2018


Especialista em propriedade intelectual Roberto Reis representará o Grupo de Trabalho. Foto: Peter Illicciev/CCS Fiocruz. 

A partir de março de 2019, o especialista em propriedade intelectual Roberto Reis representará o Grupo de Trabalho em Ciência Aberta (GTCA) da Fiocruz em uma importante iniciativa liderada pela Universidade de McGill, no Canadá, que busca testar o modelo da Ciência Aberta na produção de conhecimento e medicamentos para doenças neurológicas negligenciadas no Montreal Neurological Institute. 

A iniciativa abarca um experimento de 5 anos de duração, calcado em 5 pilares: (i) a disponibilização aberta de dados e outros recursos científicos até, no máximo, a data de publicação do primeiro artigo que use tais dados ou recursos; (ii) parcerias de pesquisa externa, onde todos os dados e recursos gerados em parcerias com outras instituições, sejam elas filantrópicas, comerciais ou de parceiros públicos, serão disponibilizados livremente; (iii) a disponibilização de um biobanco de amostras, autossustentável, que permita disponibilização de material clínico com os parceiros cadastrados; (iv) autonomia de pesquisa e do paciente, onde estará garantido o direito de pesquisadores, stakeholders e pacientes de se retirarem da pesquisa em ciência aberta a qualquer momento; e finalmente, (v), um novo modelo de apropriação do conhecimento, aberto e cooperativo, onde há a concordância dos pesquisadores, pacientes e parceiros de que não será possível o patenteamento de nenhuma inovação desenvolvida no âmbito da iniciativa de ciência aberta.

A participação da Fiocruz se dará na colaboração da construção, implementação e avaliação dos indicadores de Ciência Aberta e o objetivo é que a experiência reflita na customização desses instrumentos para a realidade da Fiocruz, que desde 2017, através do GTCA, tem promovido o debate sobre gestão e abertura de dados para pesquisa em saúde.  
“Obviamente, por trazer uma proposta tão inovadora e diametralmente oposta frente ao padrão de desenvolvimento científico atual, calcado em dados proprietários e busca incessante por direitos de propriedade intelectual, mormentesobretudo patentes e direitos autorais, a hipótese de pesquisa busca definir, medir e avaliar indicadores para aferir se os ganhos a longo prazo serão maiores ou não que o modelo vigente em ciência”, explica Reis, que especifica ainda outras apostas da iniciativa canadense. “Espera-se que a iniciativa alavanque o número de parcerias entre os diversos potenciais atores, permita um “transbordamento de conhecimento”, gerando novas empresas, como startups e diminua os custos de transação, uma vez que o modelo contratual será extremamente simplificado”. 

Ao todo serão construídos indicadores para a avaliação de 5 áreas: Aumento da qualidade e eficiência de outputs científicos; Aceleração da inovação e impacto;Aumento da confiança e accountability entre os participantes; Impacto econômico gerado pelo modelo de Ciência Aberta e sucesso na implementação do novo modelo.

Internamente, o GTCA espera aplicar o modelo em desenvolvimento conjunto com a McGill em alguns projetos-piloto, para posterior avaliação e discussão da adoção de uma política de ciência aberta institucional. Esse estudo possibilitará a Fiocruz assumir um papel de liderança no Brasil, implementando um novo paradigma da geração de conhecimento e difusão científica.
 

 

Conteúdo relacionado: 
Fiocruz integra estudo contemplado pelo Prêmio Abril & Dasa de Inovação Médica
Fiocruz firma parceria com agência suíça para desenvolver CT&I
Fiocruz Minas lança portfólio de tecnologias
Em primeiro plano, um homem branco, de cabelos curtos e camisa social segura, de perfil, segura o microfone com a mão esquerda e gesticula com a direita.