Noções centrais sobre os paradigmas da política científica, tecnológica e de inovação

Compartilhe!

Por Jaqueline Gomes


Museum of the History of Science         

No artigo  “Da Sociologia de Ciência à Política Científica” (SANTOS, 1978) o autor faz uma reflexão em torno da democracia participativa. Na perspectiva de Santos (1978), a participação política possui um papel fundamental no processo de redescoberta das políticas societárias (democracia, inclusão social e inovação cultural) e, consequentemente, a relação com a política científica. A política científica para o autor tem por finalidade impulsionar as pesquisas básica e aplicada, preferencialmente em domínios que interessem ao desenvolvimento do país, a unificação dos povos e a progressiva libertação de dependências externas. O autor caracteriza o tempo presente como um período de transição paradigmática que envolve transformações epistemológicas e societais.
O artigo de Velho (2011), “Conceitos de Ciência e a Política Científica, Tecnológica e de Inovação” aborda algumas noções centrais sobre os paradigmas da política científica, tecnológica e de inovação (PCTI) e a própria noção dominante. A autora aponta para uma tendência negativa à reprodução de conceitos internacionais na formulação de políticas que acabam tornando estas pouco sensíveis aos aspectos complexos e particulares de cada sociedade e ressalta: “isso não significa que um país não pode aprender com a experiência do outro, mas sim que a imitação (ou isomorfismo da política) não deve ser a regra." (VELHO, 2011, p. 131).
A autora, enumera os paradigmas da Política científica, sendo eles: Ciência como Motor e Progresso; Ciência como Solução e Causa de Problemas; Ciência como Fonte de Oportunidade Estratégia; Ciência para o Bem da Sociedade. Para cada paradigma, se apresenta o conceito dominante e outras categorias de análise derivadas, tais como: quem produz conhecimento científico; a visão da relação entre ciência, tecnologia e sociedade; a racionalidade (ou lógica) e o foco da política de CTI; os instrumentos de análise de políticas e de avaliação.
O que se pretende mostrar é que, algumas categorias analíticas são incompatíveis na prática com a visão de ciência dominante, ou ainda, será que  existem várias visões de ciência na sociedade?
Ambos os autores têm uma visão da ciência, tecnologia e das políticas como fundamentais e apontam para a necessidade dos países formularem suas políticas, respondendo as questões de seu contexto e buscando a participação social.
As temáticas abordadas nos dois artigos - PCTI aderente ao contexto e realidades nacionais e regionais; e o desenvolvimento de abordagens teóricas úteis à formulação das políticas sociais e de C&T - são centrais para o Observatório. Estes temas incidem em sua missão de contribuir para a formulação de políticas de ciência e tecnologia em saúde baseadas em informações científicas, visando à ampliação do impacto social, o desenvolvimento socioeconômico e a qualidade da saúde coletiva e pública.


VELHO, Léa. Conceitos de Ciência e a Política Científica, Tecnológica e de Inovação. Sociologias, Porto Alegre, n. 26, p. 128-153, jan./abr. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/soc/v13n26/06.pdf

Léa Maria Leme Strini Velho é Professora titular em Estudos Sociais da Ciência e da Tecnologia junto ao Departamento de Política Científica e Tecnológica da Universidade Estadual de Campinas.
Tem larga experiência em pesquisa e consultoria na área de Política Científica e Tecnológica, atuando principalmente nos seguintes temas: dinâmica da produção e uso do conhecimento, cooperação internacional em C&T; avaliação de políticas e atividades de C&T; formação de recursos humanos parapesquisa e indicadores de C&T.

 CV Lattes    http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4781762T3   
 Scholar Google 

 

   
SANTOS, Boaventura de Sousa. Da Sociologia da Ciência à Política Científica. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 1, p. 11-56, jun. 1978. Disponível em: http://www.boaventuradesousasantos.pt/media/pdfs/Da_sociologia_da_cienci...

Boaventura de Sousa Santos, é Doutor em Sociologia do Direito pela Universidade de Yale (1973). Professor Catedrático e Diretor do Centro de Estudos Sociais da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra. Temas de pesquisa: Epistemologia, Sociologia do Direito, Teoria pós-colonial, democracia, interculturalidade, globalização, movimentos sociais, direitos humanos.

  http://www.boaventuradesousasantos.pt/pages/pt/homepage.php

Tipo de em foco: 
Compartilhe!